terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Para quando o regresso dos Lotus à velocidade nacional?

Com o cada vez maior envolvimento da Lotus no automobilismo de competição internacional a pergunta inevitável é: para quando o regresso da Lotus ao panorama nacional de velocidade? Quando voltaremos ver a nossa marca regressar aos tempos de glória da década de 60 onde espalhava a sua superioridade nas mão de pilotos como Ernesto Neves, José Lampreia, António Peixinho, Carlos Santos e outros?

Esta discussão aparece numa altura em que o Campeonato Nacional de Velocidade conta com uma nova categoria, o Campeonato de Portugal de GT e de Sport Protótipos 2010 que dentro das suas distintas categorias não teria dificuldade em albergar um dos modelos actuais desenvolvidos pela Lotus Sport. Carros como o 2-Eleven GT4, o novo Evora Type 124 ou o recém apresentado Evora Cup têm neste momento a homologação FIA necessária para cada uma das categorias sejam elas GT ou SP e estou certo que o nível de preparação e desenvolvimento actual destes projectos, tornariam qualquer destes carros competitivos nas mão certas. Mesmo um Elise/Exige com o nível de preparação "top" seria uma arma a considerar.

Provavelmente há neste momento quem equacione a vinda para Portugal de um destes carros pois melhor do que ninguém, um piloto experimentado sabe do potencial de qualquer destas alternativas, mas neste momento só podemos especular sobre esta possibilidade. Seria enriquecedor para o automobilismo nacional voltar a contar com uma presença forte de uma marca com tantas tradições, e o potencial comercial da associação de um patrocinador com uma marca tão querida pelos aficionados portugueses, não é de desprezar.

A recente apresentação do Troféu Westfield da responsabilidade dos nossos amigos da Xicane/Comval Racing vem por si só provar que é possível competir em Portugal com baixos custos pois um valor de €33500+IVA garante a compra do carro (com o compromisso de 3 anos de troféu sempre que haja o mínimo de participantes) e o restante necessário para a época. Não seria possível o mesmo formato com Lotus? Com preços para o 2-Eleven para exportação a rondar os 28K€+IVA mesmo gastando mais algum para o equipar com o mínimo de dispositivos obrigatórios de segurança não seria possível um preço aproximado ao Westfield?

E qual a posição do importador? Veria com bons olhos a participação dos Lotus nas pistas nacionais? Haveria abertura para equacionar um projecto ambicioso de retorno da marca aos tempos de glória?

Aqui fica este assunto para discussão e participação de todos.
Share

1 comentário:

Pedro disse...

Por mim era já hoje! Estou a equacionar a possibilidade de participar no Campeonato de Portugal de GT em 2010 (ex Campeonato de Portugal de Resistência) com o meu Elise 111S. Com este carro completamente de origem e com pneus de estrada, foi possível rodar a apenas 6 segundos dos Caterham que participam nesse campeonato, no Circuito do Algarve. O Lotus tem de facto um potencial incrível e é também bastante fiável, sendo portanto um carro ideal para provas de endurance.
Pedro Charais